DIVAGAÇÕES CEREBRINAS
   
Histórico
Categorias
Todas as mensagens
Link
Citação
Objeto de Desejo
Curtinhas
Outros sites
DIVAGAÇÕES no Twitter
DIVAGAÇÕES no Facebook
ExactSeek
Google LIVROS
Google Acadêmico
Google Blogs
GENIZAH - Apologética
Púlpito Cristão
A bacia das almas
JusFiloPoiesis
Frases Cristãs

 


"Músico", por LEONARDO DA VINCI (possivelmente Josquin Desprez)

 

 

E não é que toda

Filosofia,

Música,

Literatura,

Economia,

Política,

Arte

e qualquer outra área do conhecimento humano

 

PARECE JÁ TER DONO,

antes, durante e depois de tudo,

no céu e na terra?*

*“Pois nele foram criadas todas as coisas nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, quer sejam tronos quer dominações quer principados quer potestades; todas as coisas têm sido criadas por ele e para ele. Ele é antes de todas as coisas e nele subsistem todas as coisas e Ele é a cabeça do corpo, da igreja. Ele é o princípio, o primogênito dentre os mortos para que em todas as coisas tenha a primazia, porque aprouve a Deus que n’Ele habitasse toda a plenitude, e por Ele reconciliar todas as coisas a Si mesmo, tendo feito paz pelo sangue da sua cruz; por Ele, digo, quer as coisas sobre a terra, quer as nos céus”. (Colossenses 1:16-20)



Escrito por Divagações Cerebrinas às 16h49
[] [envie esta mensagem] []




O QUE JESUS CRISTO TEM A VER COM ADAM SMITH?


Não deveria ser comum que a relação que alimenta nosso tempo (PRODUÇÃO-CONSUMO) fosse vista também na comunidade que se diz Igreja. Não dá pra não lamentar o fato de que pessoas queiram apenas CONSUMIR sermões, músicas ou atenções para si mesmo ao desempenhar o serviço de Deus. Não é crível que tenha gente que apenas celebre a Deus coletivamente quando lhe convenha o pregador, o dirigente, o grupo e o conteúdo da reunião. Não é possível confiar que pessoas escolham suas experiências religiosas como se fossem potes de margarina ligth. É reconhecer o fracasso da Instituição saber que existem indivíduos que crêem piamente (melhor, não piamente) que o sacro pode ser PRODUZIDO e CONSUMIDO antes que acabe o prazo de validade de seus próprios desejos profanos. É deprimente ver pessoas que CONSOMEM outras no ambiente que deveria imperar a paz e a aceitação (muito distinta da tolerância mundana), porque nem mesmo aceitam-se a si mesmas. É pasmante ver templos promovendo verdadeiros EVENTOS ou FEIRAS DE EXPOSIÇÃO para agradar os anseios de satisfação emocional da massa. Tem culto (ou WORKSHOP) de libertação/unção a cura interior. Tem "encontro" com Deus que só pode acontecer no monte, no retiro, no meio de galho que brilha. Tem pra todo gosto e vazio existencial. Deus tornou-se o produto invisível do MERCADO, o fiel apenas mais um CONSUMIDOR e o ensino bíblico um PRODUTO obsoleto. Tem grupo que deixa de congregar em sua comunidade local da mesma forma que deixa de ir SUPERMERCADO, pois seus estoques de carne, ou carnalidade, já estão abastecidos. Outros deixam de congregar porque acreditam serem PROFISSIONAIS da fé tão bons que deveriam ser melhor aproveitados em outra EMPRESA do ramo. A lição de Jesus Cristo, ou melhor, Sua atitude, não é amistosa para com aqueles que tratam o ambiente comum de aprendizado e expansão do Reino de Deus como uma CORPORAÇÃO ("Então ele entrou no templo e começou a expulsar os que estavam vendendo. Disse-lhes: 'Está escrito: "A minha casa será casa de oração’; mas vocês fizeram dela ‘um covil de ladrões’".  LUCAS 19:45-46). Essas palavras - nem mesmo ditas bem baixinho - nunca poderiam dar outra impressão que não seja a de um "chute no queixo" de quem VENDE o Evangelho de Cristo. Não se trata de DINHEIRO apenas, trata-se da venda de expectativas e mágicas fabulosas para tentar tornar PRODUTO um estilo de vida que deveria ser imprimido na vida de um humano sedento de Cristo. A novidade de vida virou um pacote de macarrão instantâneo, muito caro, pobre de nutrientes e que destrói a saúde espiritual do faminto de Deus. A lição de Jesus Cristo serve, portanto, para todos os SONEGADORES da verdade bíblica, especialmente para que não sejam vistos apenas como simples VENDEDORES de pombos, mas como verdadeiros salteadores da paz e da devoção genuína daqueles que se unem (seja aonde for) como corpo de Cristo, como Igreja. A esses resta a eternidade premiadora que nenhum DINHEIRO ou influência pode comprar. A César, os que são de César. A Deus, os fiéis.



Escrito por Divagações Cerebrinas às 14h42
[] [envie esta mensagem] []






Categoria: Link
Escrito por Divagações Cerebrinas às 10h29
[] [envie esta mensagem] []




Canja de galinha e cautela...

Para garantir a sua segurança e integridade física,

evite transitar pelos seguintes lugares em 2014:

(listados em ordem crescente de periculosidade)


ESTAÇÕES DE SKI - clique aqui (e aqui) para saber o porquê

PROTESTOS ANTI-COPA - Clique aqui e saiba o motivo

GOLFO DA TAILÂNDIA - Clique aqui para saber a razão


NA MIRA DO PMDB - (PRECISA EXPLICAR?)



Escrito por Divagações Cerebrinas às 08h57
[] [envie esta mensagem] []




 



Escrito por Divagações Cerebrinas às 10h22
[] [envie esta mensagem] []




FELIZ 2014!!! QUE SEJA TUDO IGUAL...

Alguns costumes enraizados na cultura local

não devem ser reproduzidos literalmente.

Outros, sim.


(Aviso necessário aos amigos que levam tudo muito a sério)



Escrito por Divagações Cerebrinas às 11h40
[] [envie esta mensagem] []




Ilustração de Pascal Campion

Stop Doing That

- Pare de fazer isso!

- Fazer o quê?

- Crescer...



Escrito por Divagações Cerebrinas às 09h49
[] [envie esta mensagem] []






Escrito por Divagações Cerebrinas às 10h39
[] [envie esta mensagem] []




As ideias estão no chão. Você tropeça e acha a solução...

“Vivo pensando que preciso

ter uma ideia genial,

sem perceber que é tal atividade

a grande ideia que procuro”.

Guilherme de Almeida, setembro de 2013



Escrito por Divagações Cerebrinas às 11h52
[] [envie esta mensagem] []




 

PREGANDO PRA PEIXE...

 

As instituições brasileiras enfrentam inúmeros questionamentos da opinião pública. O desgaste é visível. Não há governo que não tenha sido alvo de achaques nos protestos de todo dia. O Congresso Nacional nunca deixou de ser alvo de rótulos ligados à corrupção e impunidade, mas tem dado lugar ao Supremo Tribunal Federal e ao Ministério Público para também integrarem o bloco institucional alvo de reprimendas. Nenhum partido representa ninguém. Todo mundo resmunga e fica ressentido com qualquer assunto.

Não é pra menos. Tudo está um caos. O mundo está poluído, as cidades estão explodindo de gente e de problemas, a economia mundial vai mal, as minorias criam suas ditaduras e parece que nada mais tem um referencial. Estamos em crise. A coisa desandou, corrompeu.

A Igreja (digo, instituição igreja) também não passa ilesa. Tem “Marcha de Vadias” provocando carolas, tem pastor e padre molestando criança, tem fiel comprando benção, tem religioso agradecendo a propina de cada dia. Tem de tudo.

Em 13 de junho de 1654, o Padre Antonio Vieira pregou um sermão em São Luís do Maranhão três dias antes de embarcar ocultamente para Portugal. No sermão o religioso deixou bem claro que a corrupção e a crise nossas não são de hoje. Aliás, deixou saliente quais são os dois problemas: pregadores corruptos e ouvintes corruptos. Gente que não fala o que deveria falar ou que fala o que não era pra falar; e gente que não ouve o que deveria ouvir ou que ouve o que não deveria ouvir.

Para ler o sermão completo clique aqui: Sermão Pe. Antonio Vieira (Vos estis sal terrae. S. Mateus, V, l3., mas achei interessante destacar só isto:

 

“(...) O efeito do sal é impedir a corrupção; mas quando a terra se vê tão corrupta como está a nossa, havendo tantos nela que têm ofício de sal, qual será, ou qual pode ser a causa desta corrupção? Ou é porque o sal não salga, ou porque a terra se não deixa salgar. Ou é porque o sal não salga, e os pregadores não pregam a verdadeira doutrinaou porque a terra se não deixa salgar e os ouvintes, sendo verdadeira a doutrina que lhes dão, a não querem receber. Ou é porque o sal não salga, e os pregadores dizem uma cousa e fazem outra; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes querem antes imitar o que eles fazem, que fazer o que dizem. Ou é porque o sal não salga, e os pregadores se pregam a si e não a Cristo; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes, em vez de servir a Cristo, servem a seus apetites. Não é tudo isto verdade? (...).”

 

Recapitulando: na visão de Vieira os problemas da Igreja são estes:

 

Os pregadores não pregam a verdadeira doutrina;

Os pregadores dizem uma coisa e fazem outra;

Os pregadores se pregam a si e não a Cristo;

 

 

Os ouvintes não querem receber a verdadeira a doutrina.

Os ouvintes querem imitar o que os pregadores fazem, não o que dizem.

Os ouvintes, em vez de servirem a Cristo, servem a seus apetites.

 

Pena que é sermão só pra peixe ouvir...

 



Escrito por Divagações Cerebrinas às 14h23
[] [envie esta mensagem] []




 

"As explicações tornam tudo desinteressante. 

Os mistérios organizam celebrações para as quais

os esclarecimentos nunca serão convidados".

(Guilherme de Almeida, agosto de 2013)



Escrito por Divagações Cerebrinas às 15h05
[] [envie esta mensagem] []




GUIA POLITICAMENTE INCORRETO DA FILOSOFIA

 

 

Esse negócio de POLITICAMENTE CORRETO deixou tudo muito monótono!

Imagine Jô Soares terminando o programa dizendo:

"Beijo do...

PORTADOR DE CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EXPRESSIVA".



SINOPSE

“O Guia Politicamente Incorreto da Filosofia”, de Luiz Felipe Pondé, e o terceiro da coleção Politicamente Incorreto. Nele, Pondé, com a ironia costumeira, desbrava a história do politicamente correto, através do pensamento de grandes filósofos, como Nietzsche, Darwin, o escritor Nelson Rodrigues, entre outros. “Para os defensores do politicamente correto, tudo é justificado dizendo que você é pobre, gay, negro, índio, ou seja, algumas das vítimas sociais do mundo contemporâneo. Não se trata de dizer que não há sofrimento na história de tais grupos, mas sim dos exageros do politicamente correto em querer fazer deles os proprietários do monopólio do sofrimento e da capacidade de salvar o mundo. O mundo não tem salvação”. Dividido por temas, a obra se baseia em conceitos defendidos por grandes filósofos do mundo inteiro para abordar assuntos como capitalismo, religião, mulheres, instintos humanos, preconceito, felicidade e covardia. Se até o aeroporto se tornou um churrasco na laje, o futuro mais otimista para o mundo é ser brega. “Guia Politicamente Incorreto da Filosofia” não é um livro sobre a história da filosofia, mas sim um ensaio sobre a filosofia do cotidiano. Luiz Felipe Pondé, o pecador irônico, confessa uma mentira moral e universal na sociedade: o politicamente correto. Porque no fundo, você sabe que também achou graça na piada do seu amigo. (extraído da página da Editora Leya Brasil)



Escrito por Divagações Cerebrinas às 12h34
[] [envie esta mensagem] []




O FANATISMO nosso de cada dia


O fanatismo é pai do exagero. Não se fala em justa medida ou equilíbrio quando se faz referência ao fanático. É natural que essa primeira impressão acerca do termo seja dominante, pois diante do amplo espectro de filosofias, ideologias, religiões, modos de vida, tradições e culturas, os indivíduos que seguem tão rigorosamente suas convicções ficam inteiramente absorvidos por suas relações com as crenças ou vivências que abraçaram.

 

O FANÁTICO NÃO TEM EXPERIÊNCIA RELIGIOSA, TEM TRANSE. E não pense você que está livre dele, pois é universal e contamina qualquer segmento que projete fé em algo (ainda que a fé seja a de não ter fé em nada). O caráter universal do fanatismo confere a qualquer crença ou convicção a possibilidade de ser afetada pelo excesso. Sendo aplicável a qualquer crença, o fanatismo nivela os diferentes grupos que, em nome de sua própria ortodoxia, desbordam igualmente da razoabilidade e agem com práticas nocivas aos demais indivíduos do próprio grupo ou aos de fora. E também não basta que o rigorismo religioso ou ideológico leve um indivíduo a seguir o modus vivendi de acordo com os padrões desta ou daquela crença, mas também fazer com que outros adiram a tal modelo que se entende ideal para nortear suas vidas, o convívio social e o Estado.

 

Há algo de vaidade ou de orgulho na convicção e na profissão de fé na crença “correta”. O indivíduo fanático, absorto em suas práticas ritualísticas (sejam religiosas, ideológicas etc), parece tentar impor valores seus aos outros, imposição tal que, pelo discurso ou pela violência, pretende seduzir seu interlocutor a crer ou ver que a sua prática “é a mais correta”. O FANÁTICO ACREDITA TER ACESSO EXCLUSIVO À VERDADE. Aí aflora o excesso.

 

O debate religioso ou ideológico, de per si, não é nocivo quando timbrado de racionalidade, liberdade de expressão e respeito à dignidade da pessoa humana. O diálogo tão propalado por Buber e Habermas e os enfrentamentos entre argumentos diversos são campo fértil para a construção das relações entre os homens, pois oportunizam aos indivíduos de diferentes formações o conhecimento acerca do universo do outro e a integração entre eles.

 

O fanatismo, ao contrário, subtrai a oportunidade do ouvir o outro, de estabelecer as semelhanças e as discrepâncias entre os modos de pensar e praticar a fé. Ao delimitar a própria crença como fundamental ou essencial – inclusive quando a crença é a ausência de fé – o fanático produz um abismo tal que o separa da vida social e quiçá de si mesmo.

 

O fanático acaba por palmilhar as veredas da irracionalidade por padecer de vazios existenciais ou mesmo por lhe faltar referenciais éticos e morais inteligentes. Não se ignora também que o fanatismo possui origens outras que desbordam do indivíduo, hipótese essa claramente esboçada no pensamento marxista acerca do papel da religião na sociedade. O fanatismo é criado nos porões das instituições injustas.

 

Ironicamente, O EXCESSO DO FANÁTICO É FRUTO DA FALTA. Falta da estima de si, da estima do outro e de instituições justas. (Guilherme de Almeida, agosto de 2013)



Escrito por Divagações Cerebrinas às 09h43
[] [envie esta mensagem] []




 

SØren Kierkegaard

(pouquíssimas divagações)

 

Kierkegaard: compromisso e solidão - Não é à toa que ainda falhemos em querer saber como viver bem. A arte da boa existência, da vida que vale a pena ser vivida, clama por um compromisso pessoal. Falta mesmo um compromisso, uma digna vontade de juntar o logos (razão) com a praxis (conduta). Até mesmo o compromisso de não ter compromisso algum já faria distinção entre os homens. Em verdade, quando nos comprometemos com algo ou alguém acabamos por segregar outros "algos" ou "alguéns, como sequela da escolha que precisa eliminar alternativas. Comprometer-se cria distinções, mas também cria inimizades. No caso da fé cristã, o fiel, ao abraçá-la, declara sua inimizade para com as obras carnais almejando viver das coisas espirituais. Inimizades também são criadas pelo comprometimento com uma crença pura e simples, distinta daquela professada por idólatras que foram seduzidos por sua própria ortodoxia. Criamos inimizades com amigos ao nos achegarmos a compromissos maiores que o vínculo com eles. Ter um ideal é colocar-se em posição de isolamento, pelo menos em princípio. Bem-aventurado é o homem que a despeito das distinções e das inimizades geradas por seus compromissos pessoais ainda consegue conectar-se a outros solitários compromissados. Que viva bem! (Guilherme de Almeida)



Escrito por Divagações Cerebrinas às 19h24
[] [envie esta mensagem] []




"Que ninguém, sendo jovem, tarde a filosofar, 

nem velho se canse da filosofia.

Pois para ninguém é demasiado cedo nem demasiado tarde

para assegurar a saúde da alma".

(Epicuro, in Carta a Meneceu, 300 a.C.)


Epicuro não só atesta que é preciso cuidar de si, como também sutilmente ensina que a Filosofia não é afeta só ao saber, mas, sim, ao fazer. Filosofar é uma atividade e não o depósito d'um amontoado de informações no cérebro.



Escrito por Divagações Cerebrinas às 08h33
[] [envie esta mensagem] []




Da série "PALAVRAS PARA USAR NA SUA PRÓXIMA CONVERSA INFORMAL"

 

O livro MANUAL DO CARA-DE-PAU, de Carlos Queiroz Telles, já vaticinava que um indivíduo poderia participar de qualquer conversa, em qualquer círculo social, ainda que ignorasse completamente o assunto tratado e sem-que passasse por ignorante ou parvo. Decoraria apenas 5 palavras relacionadas a cada tema.

 

Explico.

 

Para participar de uma conversa sobre AVIAÇÃO, por exemplo, o cara-de-pau utilizaria:

1- Força “G” (nível básico)

2- Mayday (nível intermediário)

3- Hub (nível avançado)

4- Bequilha (nível Olimpo)

5- “STAAL” (nível Joaquim Barbosa)

 

Para participar de uma conversa sobre CULINÁRIA:

1- al dente (nível básico)

2- pesto (nível intermediário)

3- flambar (nível avançado)

4- croûtons (nível Olimpo)

5- vol-au-vent (nível Joaquim Barbosa)

Em tempo: sempre gostei das medidas na cozinha utilizadas pelo mago da Culinária de Guerrilha (Paulo Tiefenthaler, do Larica Total). Ao invés de xícaras, colheres e pitadas, há muito mais exactidão em um chuá de vinho, ou em dois sustos de limão ou ainda em xablau (ou xablablau).

 

Destarte, para CONVERSAS FILOSÓFICAS, eu sugeriria o uso desta bela palavra:

 

IPSEIDADE - | i.p.s.e.i.d.a.d.e |

s. f. [Filosofia] O que faz com que um ser seja ele próprio e não outro. Segundo o excelente Encyclopédie philosophique universelle: Les Notions philosophiques, ipseidade vem do latim ipseitas, derivado de ipse, eu mesmo, tu mesmo, etc, a ipseidade caracteriza o indivíduo nele mesmo. Ela toma toda sua importância nas doutrinas onde a natureza universal é primeira, o que impõe a questão da individuação (escotismo). Ela supõe então a hecceidade, pela qual um indivíduo é um isto e não simplesmente um ser de tal e tal espécie. Na fenomenologia, a ipseidade caracteriza o «Dasein» em sua existência ou seu ser-no-mundo antes da constituição do eu como sujeito (J. Baiard).



Escrito por Divagações Cerebrinas às 12h50
[] [envie esta mensagem] []







 

 


"Todos nascemos idólatras".

(Thomas Adams, 1583-1652 - "O Shakesperare dos Puritanos")

 



Categoria: Curtinhas
Escrito por Divagações Cerebrinas às 17h46
[] [envie esta mensagem] []




Dizer que PECADO é ERRAR O ALVO estimula a indolência.

É um eufemismo que torna o pecador um praticante de arco e flecha.

 

Cru e legítimo seria o conceito de PECADO esboçado na frase:

 

“Deus, saia logo do trono da minha vida


e nem pense em querer reinar sobre mim”.

 



Escrito por Guilherme de Almeida às 11h08
[] [envie esta mensagem] []




Maskaquarium

 

Se "aquæ" é água e "piscis" é peixe,

por que colocamos peixes no A Q U á r i o

e nadamos na P I S C I n a?



Escrito por Guilherme de Almeida às 14h59
[] [envie esta mensagem] []




CHÁ DE PANDA e outros SACRILÉGIOS

(encontre as ironias)


 

 

1. Não usar Bíblia "de papel" (smartphones/tablets não são Palavra de Deus. Moisés inovou com tábuas de pedra);

2. Chamar Culto de Celebração;

3. Detestar Legião Urbana (sacrilégio intrínseco);

4. Detestar Legião Urbana e dizer isso em voz audível (sacrilégio extrínseco);

5. Ser brasileiro e achar que o Maradona jogou mais que o Pelé;

6. Desejar comer um tenro cachorro na Coréia;

7. Decidir não ter filhos e viver bem com isso;

8. Torcer pro América-MG em BH;

9. Não gostar de Chaves ou não rir ao ouvir “Que bonita sua roupa, que roupinha ‘muitcho’ louca”;

10.  Encostar o pé gelado no(a) companheiro(a) em tempo frio;

11. Crente jogar na Mega Sena;

12. Crente jogar na Mega Sena, ganhar e não dar o dízimo (erra 2 vezes);

13. Bater na mãe por causa de mistura;

14. Assistir desenho animado ao invés de telejornal (afinal, o mundo pode acabar e a gente não ficar sabendo);

15. Fazer churrasco de pônei;

16. Gostar dos discos Load e Reload do Metallica;

17. Sentir saudades do Brizola e do Maluf;

18. Torcer para o motoqueiro cair da moto quando o barulho de seu indigitado veículo acordar o bebê que você acabou de ficar ninando por 1h30min;

19. Gostar de ganhar dinheiro;

20. Não falar, não querer aprender falar inglês e achar isso normal (vale também para informática);

21. Desconhecer a obra de Elomar;

22. Andar vestido em praia de nudismo;

23. Usar em qualquer oportunidade a expressão "cura gay";

24. Bater palmas após a execução do hino nacional;

25. Dizer que os tempos se hoje são melhores que antigamente;

26. Ser paulista em Minas e comemorar efusivamente o 9 de julho;

27. Perguntar para uma gordinha: de quantos meses? Pra quando é? 

28. Preferir Sampa ao Rio;

29. Ter iPhone e não saber mexer no iTunes;

30. Contestar a ideia de Rick Warren sobre a obra “Uma vida com propósitos”;

31. Dizer que pessoas são mais importantes que animais;

32. Ouvir música "do mundo" (como se estivéssemos em outro);

33. Acreditar em Deus sem ter uma explicação científica para isso;

34. Ler "A cabana" e dizer que isso o aproximou de Deus;

35. Apertar o tubo de pasta no meio (a lista é minha e ponho nela o que quiser);

36. Achar a Gisele Bündchen sem graça;

37. Contar piada em velório, falando alto (falando baixo pode);

38. Estudar 5 anos pra OAB ou concurso e se irritar ao ouvir: nossa, mas meu sobrinho nem fez cursinho e já passou!

39. Ouvir Wando e achar o máximo;

40. Ter preguiça de orar, não ir aos cultos, detestar o irmão e ainda querer ir pro céu (vai fazer o quê lá?);

41. Mudar de time na vida adulta;

42. Ser americano e colocar uma bandeira do Canadá na mochila pra não ser identificado;

43. Perder prazo pra recurso e chamar de estratégia processual;

44. Preferir Stones aos Beatles;

45. Lavar o cabelo com sabonete;

46. Escrever lista de sacrilégio em blog;

47. Dizer que no tempo da ditadura era melhor;

48. Não usar camiseta do Che Guevara ou do movimento “Sem Terra” no curso de Ciências Sociais da USP;

49. Criticar Marx na USP;

50. Achar que Filosofia dá mais trabalho que Ciência;

51. Achar que mais importante que saber a fórmula de Báskara é saber como e onde utilizá-la;

52. Ler Mein Kampf, de Adolf Hitler e achar bom;

53. Exigir nota fiscal no Habbib’s;

54. Ser solteiro aos 59 anos e ainda ter esperança de encontrar o primeiro amor;

55. Fumar dentro do elevador;

56. Fumar dentro do elevador na presença de uma grávida;

57. Fumar dentro do elevador na presença de uma grávida (de gêmeos);

58. Ler Agatha Christie e gostar;

59. Ter blog e não atualizar;


Quem quiser acrescentar outros sacrilégios, fique à vontade.

 

Para quem se interessou por experimentar o Chá de Panda, CLIQUE AQUI.

 

Afinal de contas, todos cometemos sacrilégios, mas nem todos vão para o inferno por ouvir a voz horrível do Renato Russo e a péssima guitarra do Dado Villa-Lobos. Ops...Me escapuliu.




Escrito por Guilherme de Almeida às 16h27
[] [envie esta mensagem] []




NINGUÉM ME AMA, NINGUÉM ME QUER...

Ninguém gosta de ser rejeitado. Se diz que gosta é porque quer aparecer ou não está com a estima em alta. Ou é fronteiriço das ideias.

Ser rejeitado dói. E dói literalmente (Revista Galileu, por Lisa Raffensperger, da New Scientist).

Gostoso é ser amado, bem quisto, bem-vindo. Envaidecemos ao saber que alguém nos ama, nos quer bem e nos deseja por perto.

A divagação está aqui: o Cristianismo é uma religião de contracultura que desafia as leis que regem o Reino do Mundo, pois considera que seus adeptos sejam "de outro mundo". Os valores do Reino de Deus - do Governo de Deus - são outros. Por exemplo: se alguém o ofende no ambiente de trabalho, o valor "vigente" é que você retalie ou ignore o ofensor, numa nítida execução do olho por olho, dente por dente da Lex Talionis. A lógica do Reino de Deus é outra: dê a outra face e permita ao ofensor atacá-lo uma vez mais.

O problema é que queremos exercer direitos que efetivamente temos, enquanto que as leis do Reino de Deus nos impulsionam a não exercermos tais direitos, a exemplo do próprio Deus que justificou previamente a humanidade pelo sacrifício salvífico de Jesus. Não exercer direitos é PERDOAR, e perdoar é ilógico!

Como vivemos no Mundo queremos aceitação, já que ser rejeitado não faz parte da lógica mundana. Todavia, o esquema do Cristianismo é se alegrar com a rejeição (Mateus 5:11) e amar aquele que deliberadamente nos rejeita: o inimigo (Mateus 5:44).

Do todo, portanto, conclui-se que um cristão que se exaspera por ser rejeitado deveria mudar de fé e de Senhor, pois não vive o valor do Governo Divino, mas a lógica mundana.

Para ser cristão o sujeito precisa querer ficar parecido com o Cristo, Mestre da rejeição. Ele foi rejeitado por seus conterrâneos, por seus discípulos, pelos poderosos, pela multidão insuflada que preferiu Barrabás.

Depois de divagar no caso, este parece um bom conselho: se alguém quiser professar a fé cristã, pretendendo viver nesse “mundão de meu Deus”, então, que aprenda a lidar e viver com a REJEIÇÃO.

Vai entender, né?



Escrito por Guilherme de Almeida às 14h33
[] [envie esta mensagem] []




 
 

E OS ATEUS TINHAM RAZÃO: DEUS NÃO EXISTE!

http://rapensando.blogspot.com.br/2008/07/deus-no-existe.html?showComment=1370261697989

Classificação:

 

Há divagações tão boas que apenas devem ser copiadas. O assunto é antigo e o argumento filosófico é excelente. Deus certamente não precisa ser defendido e pecam os cristãos pretendem conciliar a esfera da fé com a comprovação empírica de suas manifestações no mundo material. Deus é...e (.)



Categoria: Link
Escrito por Guilherme de Almeida às 09h34
[] [envie esta mensagem] []




EU VOLTEI...

 

Mergulhado nos afazeres da vida é impossível parar pra refletir.

Por isso é que se diz que quem trabalha não tem tempo pra ganhar dinheiro. Não é à toa que trabalho vem de tripalium, um instrumento de tortura. 

Mas também a gente não para só porque trabalha. A gente para porque tem que cuidar de si e dos outros. Parar também é bom. Estagnar é mau! 

Por isso, retomemos o curso (recurso, óhhhh!) e vamos devagar, quer dizer...divagar.

 



Escrito por Guilherme de Almeida às 16h36
[] [envie esta mensagem] []




 
 

"Ao ignorar as investidas do ceticismo

o Cristianismo torna-se 'acrediticismo';

Ou 'fé-tichismo'."

Autor: Guilherme do Couto de Almeida

Buscar na Web "Guilherme do Couto de Almeida"

Quando: 09/04/2012



Categoria: Citação
Escrito por Guilherme de Almeida às 14h03
[] [envie esta mensagem] []




ESTUDAR PRA QUÊ?

"Os estudos devem ter por fim

dar ao espírito uma direção que lhe permita

proferir juízos sólidos e verdadeiros

sobre tudo o que se lhe apresenta."

(René Descartes, em 1628, in "Regras para a direção do espírito")

 



Escrito por Guilherme de Almeida às 10h03
[] [envie esta mensagem] []




Classificação:

http://www.baciadasalmas.com/

 

Leitura obrigatória para quem deseja viver "a fé viva dos que já morreram" e não ficar vadeando na "fé morta dos que ainda vivem". Só não precisa concordar com tudo, já que o caríssimo autor Paulo Brabo também é humano.



Categoria: Link
Escrito por Guilherme de Almeida às 18h03
[] [envie esta mensagem] []




 



Sabe quando você dá aquela bela topada andando na calçada, daquelas que arrancam a unha do dedão?


Então...Ninguém olha para o estrago no pé antes de olhar para trás conferindo se alguém flagrou o "incidente". É ou não é?

RESUMINDO: Se o vexame ocasional dói mais que a dor física, por que
 as pessoas se preocupam tanto com o corpo e tão pouco com a moral e a ética cotidianas?

 



Escrito por Guilherme de Almeida às 21h51
[] [envie esta mensagem] []




NÃO É PORQUE QUE CREIO EM DEUS QUE...

 

"Por que deveríamos esperar conhecimento sem questionamento e sucesso sem diligência? Embora generosa, a mão da Providência não concede seus dons para seduzir-nos à preguiça. Ela concede seus dons para nos despertar para o esforço. Ninguém espera chegar às alturas do aprendizado, das artes, do poder, da riqueza ou da glória militar sem resolução vigorosa, diligência incansável e perseverança inabalável.

 

Ainda assim, esperamos ser cristãos sem trabalho, estudo, ou questionamento! Isto é o mais absurdo de tudo, porque o cristianismo, uma revelação de Deus e não uma invenção do homem, nos mostra novas relações com suas tarefas correspondentes. Ele também contém doutrinas, motivações e preceitos que lhe são peculiares.Não podemos esperar de modo razoável nos tornar competentes por acidente, assim como se alguém possa aprender de maneira insensível as máximas da política mundial ou um sistema de comportamento simples”. (WILLIAM WILBERFORCE, "in" Cristianismo Verdadeiro: discernindo a fé verdadeira da falsa, 1797, Ed. Palavra, 1ª. ed. brasilieira, p. 22).

 

 

 

RESUMINDO: é a filosofia de trabalho Muricy Ramalho contra aquela mania de ficar "espiritualizando" as coisas para encobrir a falta de excelência no serviço que se presta a Deus.



Escrito por Guilherme de Almeida às 14h38
[] [envie esta mensagem] []




 

Resposta TARDIA não é resposta.


Resposta INCOMPLETA não é resposta.


Resposta INFUNDADA não é resposta.


Por quê? Porque, sim?

 

NÃO AVILTE MINHA INTELIGÊNCIA!!!

Provérbios 15:23



Escrito por Guilherme de Almeida às 21h01
[] [envie esta mensagem] []




NEUTRO? SÓ DETERGENTE.

Ninguém discorda que as campanhas eleitorais à presidência do Brasil/2010 foram insossas e de mau gosto. Ainda que não quiséssemos saber de nada, todos nós estivemos envolvidos nessa névoa de acusações mútuas entre Dilma e Serra. Um dizia que a outra compactuava com matar criancinhas, outra falava que o outro estava “vendendo” o Brasil. Afff!!!! e Argh!!!!...

 

Depois que vimos acabar essa eleição presidencial - fora o alívio intelectual -, as divagações voltaram a fluir melhor. Pude perceber que seria importante colocar em relevo um aspecto da relação Estado-Igreja que foi muito debatido pela mídia e por inúmeros personagens envolvidos nas campanhas.

 

Nos bancos escolares, aprendemos o Estado Brasileiro é LAICO, ou seja, que não sofre (ou não deveria sofrer) influência da Igreja, do clero de qualquer credo. A partir disso, constatei um equívoco comum na interpretação dessa máxima “ESTADO LAICO”. O equívoco é este aqui: se o Estado é laico então não pode misturar com religião.

 

Confesso que o erro é bem sutil, mas não é correto afirmar que o fato de um Estado ser laico signifique que esse mesmo Estado não possa eleger valores decorrentes de fé em sua formação.

 

É que, ao nascer como ente soberano, o Estado não deixa de ter princípios religiosos para constituir-se na ordem internacional. Os valores de uma ou mais crenças sempre estarão presentes na formação de um Estado, dos seus poderes, na atividade legislativa e jurisdicional, na Constituição. Não pensemos que um juiz não utiliza valores religiosos próprios para julgar um caso concreto, ainda que o faça sob o manto da lei. Aliás, a lei é produzida e interpretada por personagens que possuem valores de fé e que recheiam as normas com um montão desses princípios religiosos.

 

Posso assegurar que a consequência imediata de um Estado soberano ser laico não é que não possa misturar-se com religião. Não! A consequência de ser laico é a de que sua gestão/administração não se atrele a questões de fé e que não seja exercida por autoridades religiosas. Veja o Irã. Não é um Estado laico, é teocrático.

 

Logo, concluo: estadistas, legisladores, julgadores e administradores de uma nação organizada devem, sim, pensar em valores religiosos no exercício de suas atividades estatais. O povo deve escolher representantes que tenham valores morais, éticos e RELIGIOSOS que sejam próprios das camadas populares. Isso é o normal. A anomalia só aparece quando facções religiosas e do "clero" barganham o bem-estar de um povo todo em detrimento de poder, barateando o fundamento de algum valor da fé verdadeira. Aliás, não é que clero rima com credo? Credo!

 

Assim, caros divagantes...,

 

...HÁ SERES HUMANOS IMPARCIAIS, NEUTROS NÃO.

O ESTADO PODE SER LAICO, NEUTRO NUNCA.

NEUTRO? SÓ DETERGENTE.



Escrito por Guilherme de Almeida às 12h17
[] [envie esta mensagem] []




QUEM RESPONDER GANHA UM DOCE?

O site de buscas Ask Jeeves pesquisou as 10 perguntas mais difíceis de todos os tempos. Eis a lista:

1. Qual o sentido da vida? 

 

 2. Deus existe?

3. As loiras se divertem mais?    

4. Qual é a melhor forma de emagrecer?    

5. Tem alguém aí (no espaço)?    

6. Quem é a pessoa mais famosa do mundo?    

7. O que é o amor?    

8. Qual é o segredo da felicidade?    

9. Tony Soprano morreu?    

10. Por quanto tempo eu vou viver? 

 

O Divagações acrescentou umas outras abaixo. E você? Acrescentaria?

  •  Por que "raios" a Cássia Kiss matou a pobre da Odete Roitmann?
  • Por que as pessoas insistem em impor seus próprios valores às outras?
  • Por que gente que tem fé em algo acha que sua crença seja correta?
  • Adão tinha umbigo? (insolvível...)


Escrito por Guilherme de Almeida às 23h05
[] [envie esta mensagem] []




DIVAGAÇÕES CEREBRINAS NO TWITTER

SIGA O BLOG EM @DIVAGACOESS

 

Twitter Button from twitbuttons.com



Escrito por Guilherme de Almeida às 11h19
[] [envie esta mensagem] []




INEVITÁVEL LEMBRAR...

.:9 DE JULHO DE 1932:.

 

VAMOS LÁ, MINEIROS! VAMOS TRABALHAR!

(Tributo à Revolução Constitucionalista e aos paulistas, que nunca fogem à luta)



Escrito por Guilherme de Almeida às 15h13
[] [envie esta mensagem] []




 
 

"Eu".

Autor: G. K. CHESTERTON

Buscar na Web "G. K. CHESTERTON"

Quando: 1874-1936

Certa vez o jornal London Times pediu a alguns escritores que respondessem à pergunta: "O que há de errado com o mundo?". CHESTERTON enviou a resposta mais sucinta, como se vê acima.



Categoria: Citação
Escrito por Guilherme de Almeida às 16h36
[] [envie esta mensagem] []




TÁ AÍ UM CARA QUE SEMPRE QUIS SER ÁGUIA...

 

Para sedimentar as divagações do post anterior, aí vai o exemplo de Morgan Freeman.

 Agora, para quem quer ser águia, fica a dica de que tudo tem limites.

É óbvio que aspirar o posto exclusivo de Criador do universo é algo perigoso demais.

Quem tentou isso da última vez deu com a cara no chão e não se levantou mais...

 

 



Escrito por Guilherme de Almeida às 13h19
[] [envie esta mensagem] []




 

Todo mundo tem espírito, mas nem todo mundo tem o espírito grande. Parece que é verdade que apenas uma minoria possui um ímpeto, uma ambição de vida, algo que diferencie um de uns.

 

Davi, José do Egito, Madre Teresa, minha avó e muitos outros foram águias.

 

Certamente tem gente que nasceu para ser águia, não galinha. Nada contra as galinhas (particularmente aprecio muito uma canja e tal), mas é evidente que alguns não aceitam apenas viver uma vida medíocre, sem desafios.

 

Na verdade, não estou pensando que todo mundo deva escrever romances best seller, fazer skydiving, ganhar muito dinheiro ou acabar com a fome na Etiópia.  Viver uma vida ambiciosa e impetuosa reside em ter grandeza de espírito, que é até difícil de conceituar. Acontece a todo momento, nas coisas pequenas e nas grandes.

 

Uma natureza galinácea deixa o indivíduo passivo, limitado a um instinto de rebanho. Ele vai aonde outros vão, não cria, não se machuca, não tenta, não erra, não acerta...

 

Ser águia, ao contrário, liberta. A pessoa forma opinião, escolhe um caminho e nele segue firme, cria, inova, perde, ganha, cresce, aparece.

 

O maior exemplo de grandeza de espírito é o do próprio Espírito de Deus, que é uma pessoa capacitadora, ensinadora, conselheira e inspiradora. Deus, o Pai, é Criador de todas as coisas e “divinamente” criativo. O que se dirá, então, de Jesus, o Filho, que levou os pecados de toda a humanidade sendo apenas homem – embora também fosse Deus? Ele é incomparável! Veja uma velha águia chamada John Haggai falando sobre isso:

 

 

 

Depois de olhar para essa essência divina, parece que quem chega mais perto do próprio Deus é quem começa a ficar parecido com Ele e com a sua Grandeza de Espírito. Não parece óbvio?



Escrito por Guilherme de Almeida às 18h39
[] [envie esta mensagem] []




http://www.godinguitars.com/godinacsp.htm

Classificação:

Valor médio: R$ 4.440,00

Violão GODIN - nylon - modelo ACS-SA - Ainda não é para o meu bico!!!



Categoria: Objeto de Desejo
Escrito por Guilherme de Almeida às 15h42
[] [envie esta mensagem] []




MEU “PAI-NOSSO”

(Autor: Guilherme de Almeida)

 

Eu quero falar o que queres ouvir

Que o meu silêncio agrade a Ti

Que a Tua voz sempre cale o meu ser

Pra sentir Tua presença, me oferecer

 

Que as minhas ofensas recebam o perdão

Que eu também saiba o que é esquecer

Que a cada dia eu coma do Pão

E viva em pureza pra cumprir Teu querer

 

Que Teu reino eterno venha sobre mim

E Tua mão me conduza pra eu não cair

Fiel no início, no meio e no fim

 

Meu Pai, Santo Deus, que desceu do céu

A Tua vontade vai sempre reinar

Que eu cumpra Tua lei e permaneça fiel

 



Escrito por Guilherme de Almeida às 11h35
[] [envie esta mensagem] []




EXISTÊNCIA PLANEJADA

Como de costume, estava divagando...

Sabe quando os pais e filhos entram naquela discussão sobre as notas da escola, a bagunça do quarto ou mesmo a falta de atenção dos pais aos filhos? Então, quem nunca ouviu no meio de tais conversas beligerantes aquela vetusta e apelativa frase dos pupilos: "É, mas eu não pedi para vir ao mundo!!!"?

Após divagar devagar, notei que a frase contém um equívoco sutil. O problema não está na causa (vir ao mundo), mas no pressuposto (pedir para vir ao mundo). Afinal, quem é que pede para vir ao mundo? Enquanto somos apenas gametas separados entre os corpos de nossos pais, nenhum de nós têm acesso a uma urna eletrônica para poder votar num plebiscito sobre a questão: "quero vir ao mundo ou não quero vir ao mundo"?!

Longe de querer sair em defesa cega dos pais. Nossos ascendentes têm seus momentos de "cabecite dura aguda". É normal!

No entanto, vir ao mundo está na ordem natural das coisas. A natureza conspira para a fecundação. Não vir ao mundo é que é estranho. Ninguém pede para vir ao mundo, pois isso já está implícito. Não é questão de escolha paterna trazer ou não um filho ao mundo. Ele simplesmente vem, naturalmente. E é um dos mais belos espetáculo da vida...Ainda que seja uma vida "severina".

E, no mais, Deus já contava com você e comigo antes de mesmo de nós sermos ("Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia" - Salmo 139:16). Quer você creia ou não na existência e na interferência de um ser divino nas coisas, Ele já tinha em mente a minha e a sua existência.

Que maravilha, não? Agora todos podemos arrumar o quarto com grata satisfação pela existência planejada pelo Criador. Ou não! 



Escrito por Guilherme de Almeida às 16h45
[] [envie esta mensagem] []




Culta a "curtura"!!! TROQUE O BBB10 POR UM LIVRO!!!

Então, povo! Voltei a atualizar o blog. Tive alguns contratempos ligados à preguiça e à falta de vontade de fazer coisa nenhuma, entendem?

Prá começar, vou lançar aqui uma campanha já existente entre os twitteiros: TROQUE O BBB10 POR UM LIVRO!!!!

Aguardo as indicações de leitura para depois poder fazer um ranking das melhores e mais votadas seleções.

...porque curto é o conhecimento sem cultura!

 



Escrito por Guilherme de Almeida às 16h18
[] [envie esta mensagem] []




A ciência comprova: DIVAGAR FAZ BEM À SAÚDE!

 

A CIÊNCIA COMPROVA: ESTE BLOG POSSUI UMA RAZÃO DE EXISTIR!

VOCÊ DUVIDA?

Então acesse: http://saude.abril.uol.com.br/edicoes/0312/bem_estar/conteudo_477940.shtml

 

 

 



Escrito por Guilherme de Almeida às 08h48
[] [envie esta mensagem] []




NOVÍSSIMO TEMA PARA A REDAÇÃO DA FUVEST: "Minhas férias"

"MINHAS FÉRIAS" (em verso)

 

'inda hoje continuo labutando

Sem problemas, não faz mal

Minhas férias 'tão chegando

Que beleza! Finda a lida laboral

 

Uma féria, duas férias

No singular ou no plural

Minhas férias 'tão chegando

Meu recesso sem igual

 

Um regresso glorioso

Mil imagens a mostrar

Oh! retiro de minh'alma

Como espero enfim chegar!

 

Aos que ficam trabalhando

Muita força a desejar

Continuem labutando

Força e garra até'u voltar

 

 PS: Alguém pirou na supressão das palavras "estão" e "ainda"?!?! Se segura, Álvares de Azevedo, um novo Cancioneiro está chegando. Cantigas de amor, de maldizer...

 

 



Escrito por Guilherme de Almeida às 08h50
[] [envie esta mensagem] []




E SE FOSSE VOCÊ NO SOFÁ DO JÔ...?

Jô Soares e Padre Fábio de Melo 

Hoje estava pensando em como seria interessante se eu fosse um convidado do Programa do Jô, na Rede Globo. Ele imita o Letterman e o Jay Lenno, mas seu talento como artista suplanta o fato de ser o apresentador que é. É um programa interessante, com uma boa média de entretenimento e informação.

Então, como seria se eu fosse um dos convidados do Jô Soares? Seria bacana...Eu falaria sobre a minha vida, meus projetos, minhas realizações, meus sonhos profissionais e pessoais e...Quando cheguei nesse ponto da divagação, entrei em crise. Parei para refletir que talvez eu não teria teor suficiente pra manter uma conversa com o Jô por mais de cinco minutos. O que eu falaria? Quando tempo a entrevista de fato duraria? Será que seria suficiente pra manter pelo menos o tempo "regulamentar"? Quando estivesse terminando o bate-papo, será que a platéia soltaria o famoso "ahhhhhh!" significando "quero mais"?

Eu poderia cantar, mas, hummm, não! Muita gente melhor já sentou naquele sofá bacana. Tocar violão? Fazer piada? Falar da função social da propriedade? Não, não e não! O Marcelo Adnet cantando Sweet Child O' Mine, na voz do Sílvio Santos, sepultou minhas últimas esperanças de fazer algo inédito naquele talk-show.

Então, de volta à realidade, pensei: tá aí! Acho que nunca vou sentar naquele sofá como entrevistado.

Alguém poderia pensar que essa conclusão talvez tivesse me levado a algum tipo de auto-depreciação. Entretanto, ocorreu o contrário: parece que me injetou algum tipo de ânimo. Uma vontade de fazer alguma coisa relevante na vida, não ao ponto de ser convidado para falar na maior emissora de TV do país, mas, alguma coisa que seja relevante na vida de alguém. De fato, minha vida não é insignificante. Meus projetos e realizações são essenciais para dar sentido à minha própria existência e à existência das pessoas que convivem comigo. Depois dessa divagação desenterrei pensamentos esquecidos (??? Nome de livro esotérico????)...Pensei na minha esposa e em nossos projetos como família, pensei nos meus amigos, na minha igreja, em minha vida profissional e ministerial; pensei em Deus e no Seu impulso de me amar ainda que eu nem merecesse ter acordado essa manhã...Puxa! Como sentar naquele sofá se tornou algo pequeno! Acho que a pergunta do título desse post não deveria ser "E SE FOSSE VOCÊ NO SOFÁ DO JÔ...?", mas, sim, "E SE VOCÊ NUNCA FOSSE CONVIDADO PARA SENTAR NO SOFÁ DO JÔ...?". Ufa, melhorei.

PS: Na foto, meu amigo pessoal, o Padre Fábio de Melo. Imagine a cena: eu, no Beach Park (Fortaleza), sendo apresentado ao mencionado clérigo assim: "Guilherme, esse é o Padre Fábio de Melo (o conhecidíssimo cantor de sei lá o quê). Vc o conhece?" - Guilherme responde: "Não, mas muito prazer, Guilherme (estendendo a mão)". Acho que ele ficou chateado comigo...

 



Escrito por Guilherme de Almeida às 18h51
[] [envie esta mensagem] []




Da série "Constatações sem as quais não viveríamos"...

 Vocês já perceberam que quando digitamos no teclado a palavra "DESDE" o movimento do nosso dedo perfaz um círculo com as letras "D", "E" e "S"?

Tributo a meu amigo André Tolentino, o Homem-Pássaro!!!



Escrito por Guilherme de Almeida às 17h50
[] [envie esta mensagem] []




YES, WE CAN! (Tributo a meu amigo Obama)

Kaká comemora gol marcado

Por hoje, só três comentários:

1.) Dá gosto ver um time que joga com vontade de ganhar! Faz bem ver o desengonçado capitão Lúcio comemorar gol, reclamar de passe errado, encher a paciência do árbitro. Ninguém disse que é obrigação ganhar jogo, mas lutar é! Inexplicavelmente, o pouco-provável-que-durasse-mais-que-dois-meses-como-técnico Dunga conseguiu fazer nossos jogadores entenderem isso. Deu certo. Brasil-sil-sil-sil-sil....

2.) "Tino Marcos, meu querido: o Lúcio, quando saiu comemorando o gol que marcou e, olhando para cima, disse: 'É pro senhor, meu Pai (...)', se referia ao Deus Todo Poderoso, Criador de todas as coisas, Sustentador do Universo, Onipotente, Ubíquo, Onisciente, PAI da Eternidade, Senhor dos Exércitos, Deus Forte, etc, etc e etc". Vamos combinar uma coisa? Não é porque não precisa mais de diploma pra ser jornalista que agora a gente vai descambar, né? Checar a veracidade da informação e a legitimidade das fontes ainda é necessário.

3.) Alguém sabe o que aconteceu com a Espanha? Não!?!? Ah! Só pra saber...

 



Escrito por Guilherme de Almeida às 10h18
[] [envie esta mensagem] []




WHO'S DEAD?

Michael JacksonTodas as agências de notícias já confirmaram e noticiaram a morte de Michael Jackson. Os títulos das manchetes variam de um simples "Michael Jackson está morto" até àqueles recheados de opiniões como: "Michael Jackson - uma vida de extremos". Ele tinha 50 anos e estava preparando uma turnê de 50 shows na Inglaterra para pontuar sua triunfante volta aos palcos. Todos os ingressos foram vendidos com muita antecedência.

Inegável que o cara era um artista completo. Sabia dançar, cantar e interpretar muito bem. Os atuais Chris Brown e Justin Timberlake já declararam abertamente que eram imitadores do astro pop. Carreira brilhante, vida conturbada. Talento máximo, paz mínima. Parecia que Michael não estava muito feliz consigo mesmo e que era portador de alguma doença misteriosa. Os comentários de todos sempre giravam naquele velho contexto de "o que ele fez com a vida dele?", ou então "ele tinha tudo para ser feliz" etc.

A partir da morte do "Rei do Pop", nas minhas tonterias, fiquei pensando como eu serei quando tiver 50 anos. Será que as pessoas vão olhar pra mim e dizer que eu poderia ter feito mais com a minha vida, que eu tinha potencial para ser melhor?

Seria interessante a gente se preocupar mais com a vida (e como ela poderia ser melhor) antes de liberar o último fôlego. Há muito tempo atrás, um sábio escreveu que é melhor pensar no Criador antes que "venham os maus dias". É questão de lembrar que a nossa vida é breve e merece ser vivida plenamente. Viver - ou sobreviver - não basta. É preciso viver em abundância, intensamente.

Outras coisas que pensei: será que eu vou fazer falta neste mundo? Será que vão levar o meu caixão num carro de bombeiros até o cemitério? Será que vão ter que parar o trânsito por conta do cortejo fúnebre? O que escreverão no meu túmulo? Todas essas coisas despertam minha vaidade. Quem não quer ser amado e deixar saudades? Quanto tempo vai levar pra eu ser esquecido?

Bom, pelo menos não vou deixar meu público com ingressos comprados na mão. Eu é que não queria ser o empresário desse cara!

PS: Você sabe onde o Michael Jackson vai quando entra no banheiro? R. Ele vai aaaaooo bidêeee ("I'll be there"). Péssima!

 



Escrito por Guilherme de Almeida às 10h02
[] [envie esta mensagem] []




 
 

"A FORMAÇÃO DE UM MOVIMENTO" (Tributo a meu amigo Elias Brito)

Autor: Max Lucado

Buscar na Web "Max Lucado"

Quando: 2000

 

"Cada um de nós deve ter uma vida suficientemente estimulante para dar início a um movimento. Devemos ficar ansiosos por mudar o mundo. É preciso amar ardentemente, sonhar sempre e trabalhar com perseverança. É necessário fechar os ouvidos para as múltiplas vozes da transigência e nos firmarmos no ramo da verdade. Devemos defender o valor do indivíduo, proclamar o perdão de Deus e reivindicar a promessa do céu. Devemos igualmente viver de modo a provocar um movimento. Veremos este movimento ocorrer? Talvez sim e talvez não. Os movimentos jamais se iniciam e terminam na mesma geração. Os grandes reavivamentos e reformas que pontilham a história da humanidade nunca representam o trabalho de uma só pessoa. Todo o movimento é uma soma de visionários que já foram, gerações de vidas que não transigiram e verdades inegociáveis. Homens fiéis, cujas vidas manifestaram o poder. Sem dúvida existiram muitos com a sabedoria de Lutero, ou a oratória de Paulo, de quem nada soubemos. Quem sabe um açougueiro desconhecido na Grécia, um sapateiro na França, um mecânico nos Estados Unidos. Homens cujas vidas santas formam parte dos alicerces de um movimento". O movimento chega à idade adulta quando uma vida ceifa as sementes plantadas por outros em gerações anteriores. O movimento ocorre quando alguém, nem superior nem inferior aos que foram antes, vive com poder na plenitude do tempo. Não pense que os grandes movimentos, de Lutero, Calvino, foram inteiramente promovidos por eles. Esses homens não passaram de vidas poderosas colocadas por Deus num ponto receptivo da história. Tenhamos vidas estimulantes e suficientemente poderosas para provocar um movimento. A verdadeira marca de um visionário é sua disposição de entregar a sua vida a favor daqueles que jamais verá. Esse movimento vai surgir em nossa geração? Espero que sim. Mas, mesmo que isto não aconteça, mesmo que jamais vejamos, ele vai ocorrer. E nós faremos parte dele". Extraído do livro MOLDADOS POR DEUS (Max Lucado – Ed. Vida Cristã)

 

Eu nunca acreditei muito nesse negócio de "Efeito Borboleta". De acordo com a Teoria do Caos, é possível que uma borboleta possa alterar o curso de um furacão, a milhares de quilômetros de distância, com um mero bater de asas. É incrível pensar que um simples esforço, tão isolado, possa gerar algo tão grande. Mas, se pararmos para refletir, parece mesmo que o todo vem da parte, a exemplo da faísca que provoca um grande incêndio. A dificuldade está em ter ânimo para iniciar um movimento e esperar para ver aonde ele vai dar. Queremos sempre ter resultados imediatos de nossas ações, enxergar o plano todo. Esperamos poder colher os louros pelas conquistas semeadas para alimentar a nossa vaidade. Eu sou assim. Eu gosto de ver acontecer. 

Entretanto, não ver os resultados dos nossos esforços de hoje é a base da FÉ. Ver o invisível, crer no incrível. Diferente é quem tem a visão do movimento todo sem vê-lo, sem entendê-lo. Feliz é aquele que não vê, e ainda assim, crê. Deixar um legado é mais que transmitir posses ou direitos, é imprimir uma marca no seu tempo e nos seus contemporâneos. É estremecer a pátria, viver no trabalho e não perder o ideal (Rui Barbosa e os dizeres de sua lápide).

No final de tudo, quem deixa um legado, quem inicia um movimento, já tem o consolo de tê-lo iniciado, ainda que não o veja. Por hoje, isso basta.



Categoria: Citação
Escrito por Guilherme de Almeida às 09h58
[] [envie esta mensagem] []




E, no princípio...

Tinha de começar de alguma maneira. Estou me devendo isso faz muito tempo. Precisava escrever "coisas", ainda que sem nenhum compromisso com a lógica, com uma ordem. Então resolvi criar este blog para dar lugar às minhas tonterias® (Elias Brito). Um primeiro passo de libertação para todas as ideias que pululavam na minha cabeça. Quem sabe alguém não se interesse por uma delas, pague por isso e eu fique rico instantaneamente? Mesmo sem tal fortuna (ambiguamente falando), ao menos vou poder "desopilar o fígado" pensando sobre os mais diversos assuntos.

Se alguém se interessar em comentar, seja bem-vindo. Pode ser que as tonterias em conjunto produzam melhor resultado.

É isso! Este blog - sem quaisquer pretensões mirabolantes - vem a existência igual a baiano, que não nasce: estréia... 

Vamos divagar?



Escrito por Guilherme de Almeida às 18h03
[] [envie esta mensagem] []


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]